A Degola dos Pensantes – Jorge Eurico

Avatar By Redacao Jul 4, 2024
Corruptos bons; corruptos maus! - Jorge Eurico

As autoridades angolanas prenderam recentemente, na província da Lunda-Norte, dois ativistas por terem cometido o seguinte “crime”: o de terem sido flagrados a lerem os estatutos do “Movimento do Protectorado da Lunda-Tchokwe”. A detenção foi feita sem mandado judicial.

Os detidos ainda não foram apresentados ao Ministério Público. É um abuso. Um atropelo aos Direitos Fundamentais dos cidadãos. É a degola dos angolanos que pensam e estimam o saber. É a intimidação de todos os angolanos que têm a “insolência” de fazer jus aos seus direitos civis e políticos.

O Executivo “não ouve, deixa”! Continua a dar tiros no próprio pé e a transformar “gente desocupada” em presos políticos e heróis.Tudo devido à prepotência, à arrogância e à má formação de quem (co)manda. José Eduardo dos Santos teve sérios “amargos de boca” por ter dado assentimento para a prisão dos “15+2”. Transformou-os em presos políticos l. Em heróis. A História registou.

O arrependimento chegou tarde. Foi mau! Foi um tiro que saiu pela culatra. O tiro saiu politicamente mais caro que o preço de uma bala. Mas, ainda assim, continua-se a bater na mesma tecla. A empáfia, a contumácia e a “jumentice” crônica têm causado constragimentos políticos graves à imagem do Estado angolano.

Tenho para mim que Governo que persegue e prende intelectuais é fraco. É medroso! É composto por muitas cabeças e poucos cérebros. Só tem a força das armas. E por isso esconde-se atrás delas. Executivo que se incomoda com os amantes dos livros e da leitura admite, implicitamente, que o seu propósito é o de cercear a Liberdade de Expressão e de Pensamento. Que pretende controlar a Informação. A todo custo.

Prender cidadãos pelo “crime” de lerem os estatutos de uma fação que reivindica a sesseção de uma parcela de Angola, demonstra o perfil autoritário do Executivo. Atesta que há uma feroz perseguição contra quem pensa com a sua própria cabeça.

Pol Pot e os seus khmers vermelhos no Cambodia também perseguiam intelectuais. Angola está na mesma senda. A aversão do Executivo ao exercício intelectual e às liberdades individuais visa defender a sua (pouca) autoridade e trucidar todos aqueles que se opõem à ideologia dominante. Tão simples quanto isso!