PR constatou no terreno os constrangimentos para chegar ao NAIL, não gostou do que viu e convocou reunião de urgência no Palácio…o resultado foi um despacho com medidas emergenciais

Avatar By Redacao Jun 6, 2024
PR constatou no terreno os constrangimentos para chegar ao NAIL, não gostou do que viu e convocou reunião de urgência no Palácio...o resultado foi um despacho com medidas emergenciais

O Presidente da República saiu hoje do palácio Presidencial para percorrer os caminhos que levarão os viajantes ao novo Aeroporto Internacional de Luanda (NAIL), que é previsto começar a funcionar em pleno no final do terceiro trimestre de 2024. E concluiu que os aproximadamente 45 quilómetros estão cheios de constrangimentos, a começar pela ligação por comboio. O Chefe de Estado não ficou satisfeito com o que viu no terreno, e, de regresso ao Palácio, convocou uma reunião de emergência. No fim do dia, fez sair um despacho com medidas emergenciais.

Segundo os serviços da Presidência, João Lourenço percorreu, de comboio, o troço que liga a estação ferroviária do Bungo até ao Aeroporto Internacional Dr. António Agostinho Neto, em Icolo e Bengo, numa extensão de aproximadamente 45 quilómetros.

O Chefe de Estado “quis certificar-se do estado real das acessibilidades para o novo aeroporto, muito em particular a ligação por comboio”.

A visita de campo “deixou a nu um conjunto de desafios que vai ser preciso vencer” para que a viagem dos passageiros por via férrea ocorra com garantias de segurança e conforto, diz a Presidência, acrescentando que “hoje por hoje, os comboios naquele percurso operam em condições precárias, dada a persistência de mercados informais, circulação de vendedores ambulantes e animais, além da acumulação de lixo e outros detritos”.

Feita a viagem de comboio, e com um amargo de boca, o Chefe de Estado resolveu ir verificar a Estrada 230 que liga Luanda a Catete, por altura do quilómetro 44, o ponto onde desembocará a estrada circundante projectada para desafogar a ligação entre Luanda e Viana, “uma via que influenciará, também, a acessibilidade para o Aeroporto Internacional Dr. António Agostinho Neto”.

“Em face do constatado”, dizem os serviços da Presidência, o Chefe de Estado “convocou de imediato uma reunião de trabalho, que teve lugar a meio da tarde desta quarta-feira no Palácio Presidencial, na Cidade Alta, com responsáveis de diferentes departamentos ministeriais e outras entidades ligadas ao processo de criação de condições para que as idas e vindas futuras do e para o novo aeroporto estejam facilitadas”.

No final do dia, o Presidente da República exarou um despacho a considerar que “persistem os inúmeros constrangimentos de segurança da exploração ferroviária, que levam a perdas humanas diárias, o furto e vandalização do material circulante e da linha, o depósito de resíduos sólidos, a venda ambulante e a redução da velocidade normal dos comboios”.

O diploma assinado pelo Presidente da República ainda não está acessível, mas, segundo os serviços da Presidência, refere a urgência de assegurar as condições de segurança, reabilitação e vedação da linha, implementação do sistema de comunicação e sinalização, limpeza da via permanente, remoção das interferências e edificação de pedonais, para reposição da capacidade técnica e operacional de transporte do Caminho de Ferro de Luanda no troço Bungo-Baía-Aeroporto Internacional Dr. António Agostinho Neto.

No diploma é autorizada a despesa e a formalização da abertura do procedimento de contratação emergencial, assentes em critérios materiais, para a celebração de contratos de empreitada para a segregação do corredor ferroviário do Caminho de Ferro de Luanda no troço Bungo-Aeroporto Internacional Dr António Agostinho Neto, o de elaboração dos projectos, coordenação e gestão da empreitada, e o de fiscalização da obra. Os valores a despender pelo Estado angolano não foram avançados pelos serviços da Presidência, mas o Novo Jornal estará atento à publicação do documento em Diário da República.

De lembrar que o Novo Jornal alertou, em Novembro de 2023, aquando da inauguração da primeira fase do NAIL, que se a viagem tivesse de ser feita agora, por estrada, poderia levar até duas horas, e caso estivesse a chover, três, o que também quer dizer que, se um passageiro tivesse de apanhar um vôo às 07:00, teria de sair do centro da cidade à meia-noite, para poder chegar a tempo de fazer o check-in.