Três dos alegados golpistas na RDC tinham empresa em Maputo

Avatar By Redacao Mai 21, 2024
Três dos alegados golpistas na RDC tinham empresa em Maputo

Três dos alegados envolvidos na tentativa de golpe de Estado na República Democrática do Congo (RDC), incluindo o congolês Christian Malanga, que liderou o movimento, são detentores desde 2022 de uma empresa mineira com sede em Maputo.

Segundo documentos oficiais do registo da Bantu Mining Company na Conservatória do Registo de Entidades Legais de Maputo consultados hoje pela Lusa, além de Christian Malanga, congolês no exílio — com passaporte emitido pelo Essuatíni (antiga Suazilândia) -, integram aquela sociedade, com operação em Matola, arredores da capital moçambicana, os norte-americanos Cole Patrick Ducey e Benjamin Reuben Zalman Polun.

Os três registaram ainda no Chimoio, província moçambicana de Manica, a Global Solutions Moçambique, de acordo a imprensa local moçambicana, segundo a Lusa.

Dezenas de atacantes invadiram às primeiras horas de domingo as residências do Presidente da RDC, Felix Tshisekedi, e do vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Vital Kamerhe, numa tentativa de golpe de Estado, rapidamente travada pelo exército congolês.

A tentativa de golpe de Estado foi liderada pelo activista da diáspora congolesa nos Estados Unidos, Christian Malanga, morto pelas Forças Armadas da República Democrática do Congo, depois de invadir o Palácio da Nação, a residência presidencial. JA