Crise humanitária na RDC: Alerta da ONU

Avatar By Redacao Fev 22, 2024
Crise Humanitária na RDCCrise Humanitária na RDCCrise Humanitária na RDC

As Nações Unidas alertaram sobre a deterioração da situação humanitária na região oriental da República Democrática do Congo (RDC), incluindo a violência baseada no gênero.

Durante uma videoconferência realizada na terça-feira, o alerta foi feito por Bruno Lemarquis, Coordenador Residente e Humanitário da Missão de Estabilização da ONU (MONUSCO) na RDC, conforme relatado pela Africanews. Segundo informações do ACNUR, as Nações Unidas planeiam retirar as forças de manutenção da paz da região até o final do ano. Além disso, mais de 25 milhões de pessoas necessitam urgentemente de ajuda humanitária para sobreviver, enquanto o conflito já deslocou mais de sete milhões de pessoas. É crucial agir prontamente para enfrentar os desafios humanitários na região.

A crise humanitária na RDC é uma das mais graves, complexas, prolongadas e negligenciadas do mundo”, disse Bruno Lemarquis. Ele também destacou o ressurgimento da hostilidade no leste da RDC, especialmente no Kivu do Norte, com confrontos violentos entre o grupo M23 e as Forças Armadas Congolesas (FARDC), resultando em graves consequências humanitárias e deslocamentos.

O ACNUR informou que as Nações Unidas planeiam retirar as forças de manutenção da paz da região até o final do ano. Mais de 25 milhões de pessoas necessitam urgentemente de ajuda humanitária para sobreviver, e o conflito deslocou mais de sete milhões de pessoas.

Além disso, duas milhões de pessoas estão sendo afetadas por graves inundações em várias províncias do país, com o rio Congo atingindo seu nível mais alto desde 1961. Conflitos têm assolado o leste do Congo por anos, com mais de 100 grupos armados, incluindo o M23, disputando uma posição segura na área rica em minerais perto da fronteira com Ruanda. Analistas afirmam que outro desastre na crise humanitária na RDC poderia passar despercebido devido à atenção concentrada nos conflitos em Gaza e na invasão da Ucrânia pela Rússia, segundo a Africanews.

Ler também: Primeiro-ministro da RDC renuncia ao cargo