Tenente Coronel das FAA denúncia contínua perseguição por agentes da ordem em Luanda

Avatar By Redacao Jan 22, 2024
Tenente Coronel das FAA, Daniel NetoTenente Coronel das FAA, Daniel NetoTenente Coronel das FAA, Daniel Neto

O tenente coronel das Forças Armadas Angolanas (FAA), Daniel Neto, denuncia que continua a ser perseguido por supostos agentes da Polícia Nacional (PN) e dos Serviços de Investigação Criminal (SIC), cujo plano segundo o denunciante passa pela sua detenção ou eliminação física, como forma de impedir a defesa das camponesas que diariamente lutam com altas patentes da Polícia e das FAA, numa parcela de terra de largos hectares em litígio há vários anos.

Segundo Daniel Neto, na denúncia que avança ao Club-K, para sua detenção, foram destacados em vários pontos de Luanda, onde o oficial do exército frequenta, determinados agentes com motorizadas, situação que para ele tem limitado os seus direitos de “ir e vir”, consagrados na Constituição da República de Angola (CRA).

Depois da exoneração do subcomissário Joaquim do Rosário, como comandante municipal de Talatona, uma das figuras tidas como interessadas nos terrenos das camponesas da “Sociedade Konda Marta II”, que sofrem agressões constantemente, as vítimas acreditavam que a situação acalmasse, mas a realidade demonstra o contrário, pois o Comando Provincial de Luanda “tomou à dianteira” de todos os dias enviar patrulhas da Polícia Nacional com agentes armados, uma estratégia do comissário chefe, Francisco Ribas, segundo fontes.

Na semana finda, lamentou o porta-voz das camponesas, as senhoras foram mais uma vez surpreendidas por uma viatura de patrulha da Polícia Nacional a bordo com agentes armados do Comando Provincial de Luanda, armados voltaram a usar a força contra as camponesas lançando gás lacrimogéneo.

Daniel Neto disse que foram detidas algumas pessoas, que foram libertadas horas depois, situação que se repetiu na sexta-feira, 19, onde os efectivos detiveram quatro jovens da empresa “Konda Marta”.

“A nossa maior preocupação é a Polícia, pois não tem que se meter nos terrenos”, salientou o também empresário, que ao mesmo tempo desafia à Inspecção do Ministério do Interior (MININT) e do Comando Provincial de Luanda da Polícia Nacional (CPLPN), com vista a apurar a veracidade das denúncias dos camponeses.

“Os agentes da Polícia Nacional mandatados pelo comandante Ribas estão no terreno 24/24 horas, por isso é que digo sempre que ele (comandante provincial) é invasor”, disse.

O oficial das Forças Armadas Angolanas afirmou que “não anda à vontade porque há ordens superiores para ser assassinado, por essa razão”, disse Daniel Neto apresentou uma queixa-crime contra o ministro do Interior e comandante provincial, Eugénio Laborinho e Francisco Ribas, respectivamente. Club-K