Gika Tetembwa questiona a eficácia do investimento nas FAA em Projecto Avícola

Avatar By Redacao Jan 2, 2024
O investimento nas Forças Armadas Angolanas em Projecto AvícolaO investimento nas Forças Armadas Angolanas em Projecto AvícolaO investimento nas Forças Armadas Angolanas em Projecto Avícola

Gika Tetembwa, conhecido por suas análises críticas, abordou recentemente a inauguração do projecto avícola das Forças Armadas Angolanas, liderada pelo Ministro de Estado para a Coordenação Econômica, José de Lima Massano, em parceria com o grupo empresarial Jampur.

No evento, ocorrido em 23 de dezembro de 2023, foi anunciado um investimento de cerca de 50 milhões de dólares na produção de pintinhos, uma iniciativa voltada para impulsionar o setor agrícola, conforme divulgado pelo Telejornal da TPA durante a inauguração do aviário em Malanje, com a presença de José de Lima Massano.

Entretanto, Gika Tetembwa, apresentou sérias preocupações sobre a alocação de recursos diante de desafios mais prementes. Levantou questionamentos sobre a eficácia desse novo investimento, especialmente considerando a dívida significativa resultante de uma parceria anterior entre as Forças Armadas e a Jampur.

Em meio a essas preocupações, Tetembua ressaltou a necessidade de as Forças Armadas direcionarem seus esforços para questões sociais urgentes, como as enchentes na região do Zaire. Enfatizou o potencial da engenharia militar em oferecer soluções para problemas emergenciais, como as inundações na fronteira com o Congo.

Gika Tetembwa, em sua análise crítica, questionou a relevância da agricultura familiar no contexto actual de Angola. Destacou que a prática da agricultura familiar remonta à era colonial, quando a população do país era de aproximadamente 12 milhões de habitantes. No entanto, com o crescimento expressivo da população, especialmente em Luanda, que agora abriga 10 milhões de habitantes, Tetembua levanta a questão sobre a viabilidade de continuar com a agricultura familiar. Para ele, a agricultura deve ser encarada como uma iniciativa nacional, considerando as mudanças demográficas e a necessidade de abordagens mais abrangentes para atender às demandas actuais do país.

Também falou sobre os possíveis impactos desse investimento nas Forças Armadas Angolanas. Alertou para o risco de condicionar o povo angolano a viver um momento diferente, sugerindo que a decisão de investir milhões de dólares nesse projecto específico poderia levar a uma emigração em massa, afectando até mesmo os filhos dos dirigentes da república. Tetembua destaca a importância de considerar as repercussões sociais e económicas a longo prazo, instou as autoridades a adotarem uma abordagem mais alinhada com as reais necessidades da população angolana.

Ao comentar a parceria anterior com a Jampur, Gika Tetembwa levantou dúvidas sobre o histórico de sucesso da empresa em iniciativas semelhantes e expressou preocupações de que investimentos desvinculados das necessidades reais do país possam não proporcionar os benefícios esperados.

O analista enfatizou a importância de um debate aberto e transparente, encorajando a população a questionar e responsabilizar as autoridades. Ele concluiu alertando para os riscos de repetir padrões do passado e pediu uma abordagem mais direcionada para atender às reais necessidades do povo angolano diante de investimentos significativos como este.