Wankana de Oliveira militante do MPLA revela desafios nas empresas públicas angolanas: Gastos, falta de lucros e falhas na transparência

Wankana de OliveiraWankana de OliveiraWankana de Oliveira

Em uma análise incisiva compartilhada através do WhatsApp, Wankana de Oliveira, militante do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola), lança uma crítica contundente sobre a administração das empresas públicas em Angola. O foco da crítica abrange uma série de preocupações, desde a nomeação dos Presidentes dos Conselhos de Administração (PCA) até a prestação de contas, a escassez de iniciativas sociais, extravagâncias em workshops e os significativos gastos apontados pela Ministra Vera Daves.

Ao mergulhar na complexa dinâmica das nomeações e exonerações nos conselhos de Administração das empresas públicas, Wankana expressa inquietação diante dos números divulgados pela Ministra Vera Daves, especialmente no que diz respeito aos gastos e à falta de lucros. A crítica aponta para um cenário em que o esforço inicialmente projetado para reduzir custos adicionais parece ter resultado em uma gestão financeira descontrolada, marcada por apetites desmedidos que impactam a sociedade como um todo.

A análise não se limita às questões financeiras. Wankana destaca a contradição entre o lema do Executivo, “trabalhar mais e comunicar melhor”, e a carência de esclarecimentos técnicos por parte do Ministério de tutela. A ausência desses pronunciamentos técnicos alimenta especulações sobre investimentos e números, adicionando uma camada de incerteza sobre a eficácia das ações empreendidas.

O militante do MPLA destaca ainda a preocupante imagem que está sendo projetada aos cidadãos, onde o dinheiro é gasto sem a apresentação de resultados palpáveis. A crítica aponta para a persistência de eventos festivos, como workshops e consultorias estrangeiras, em um contexto de dificuldades financeiras, levando a uma reflexão sobre a efetividade dessas iniciativas.

A mensagem de Wankana de Oliveira encerra-se com uma citação de William Shakespeare em Hamlet, sugerindo que algo está intrinsecamente problemático na gestão das empresas públicas angolanas. Essa crítica oferece uma visão interna das preocupações dentro do MPLA e destaca a urgência de abordar questões de transparência e eficácia na administração das entidades públicas em Angola.