Idolatria dos jornalistas angolanos marca encontro entre Joe Biden e João Lourenço, segundo Graças Campos

Avatar By Redacao Dez 7, 2023
Graças Campos, Joe Biden e João LourençoGraças Campos, Joe Biden e João LourençoGraças Campos, Joe Biden e João Lourenço

O recente encontro entre o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente de Angola, João Lourenço, capturou a atenção não apenas pelos eventos diplomáticos, mas também pela reacção intensa dos jornalistas angolanos. Graças Campos, renomado analista política, destaca o tom de idolatria que envolveu a cobertura jornalística do evento.

O encontro, que abordou questões importantes entre as duas nações, foi acompanhado por uma cobertura mediática robusta. Campos observou que a postura dos jornalistas angolanos transcendia a objectividade esperada, tendo elementos de reverência e admiração em suas abordagens.

Em suas declarações durante o programa “Conversas Essenciais” na Rádio Essencial, Graças Campos afirmou: “Que essa visita foi manchada não pelo Presidente João Lourenço, mas pela cobertura jornalística que foi feita. Na verdade, aquilo que vimos não foi exactamente jornalismo; o que nós vimos foram momentos de histeria que envolveram idolatria, envolveu tudo menos jornalismo.”

Campos, conhecida por suas análises perspicazes sobre a política angolana, oferece uma análise política crítica sobre a cobertura mediática da visita do Presidente João Lourenço, evidenciando preocupações em relação à comunicação social do Estado e à falta de transparência na divulgação dos acontecimentos. “Mais uma vez, a comunicação social do Estado prestou um péssimo serviço! De tal modo que, se dependêssemos exclusivamente da comunicação social, os angolanos nem saberiam o que foi discutido. Além daquele breve instante de euforia do Presidente João Lourenço quando saía da Casa Branca, não foi dito mais nada. Isso revela que essa viagem não foi preparada para os jornalistas, foi preparada para propagandistas; isto é muito mal!“. Lamentou

As reacções da mídia angolana certamente abrirão espaço para um debate mais amplo sobre a ética jornalística, a independência da mídia e a responsabilidade dos jornalistas em contextos diplomáticos. Este episódio destaca a importância de uma imprensa vibrante e independente para uma sociedade bem informada.