JURA se pronuncia sobre a prisão do secretário em Cabinda: Incidente levanta preocupações sobre abusos da Polícia e motivações políticas

Avatar By Redacao Dez 5, 2023
JURA se pronuncia sobre a prisão do secretário em CabindaJURA se pronuncia sobre a prisão do secretário em CabindaJURA se pronuncia sobre a prisão do secretário em Cabinda

A Juventude Unida Revolucionária de Angola (JURA) emitiu hoje, 05.12, uma nota informativa abordando a prisão do Jovem Secretário Municipal, Júlio Muel, no Município de Buco-Zau, Cabinda. O incidente, ocorrido no sábado, 02 de Novembro de 2023, durante uma operação da Policia para desmantelar garimpos de ouro, levanta sérias preocupações sobre abusos policiais e possíveis motivações políticas.

De acordo com relatos locais mencionados na nota, a Polícia Nacional em Cabinda conduziu uma operação no Bairro Cruzamento do Caio, resultando em acusações da população de saques a bens de cidadãos inocentes, incluindo a exposição forçada de mulheres na via pública.

Júlio Muel, que também actua como coordenador da juventude na região, foi abordado pelos moradores após a operação, solicitando ajuda para recuperar seus bens saqueados. Em um esforço para apaziguar a situação, Muel apelou à calma e comprometeu-se a investigar a situação junto à polícia.

No entanto, após um confronto entre jovens descontentes e a Polícia Nacional, Júlio Muel foi preso, acusado de ser o organizador da manifestação. Enquanto outros detidos foram liberados, a permanência de Muel sob custódia levanta suspeitas sobre possíveis motivações políticas por trás da detenção.

Atualmente, Júlio enfrenta tortura psicológica enquanto aguarda julgamento. O caso foi devolvido ao tribunal pelo juiz, alegando falta de acusação formal do Ministério Público. Contudo, segundo a nota, o Ministério Público alega não ter recebido a documentação da Polícia Nacional.

Em resposta, a JURA está oferecendo assistência jurídica e psicológica necessária a Júlio Muel, instando todas as instituições do estado a pautarem suas ações na lei e respeitarem os documentos normativos da República. A organização apela para que o ato de auxílio aos cidadãos não seja politizado, em conformidade com os princípios legais e em contraposição a práticas observadas nos últimos anos.

A situação permanece fluída, e a JURA continuará monitorando os desdobramentos legais e os próximos passos das autoridades em relação a este caso sensível.