Relatório da IGAE arrasa gestão da TAAG e coloca em ‘suspense’ futuro dos administradores

Avatar By Redacao Nov 24, 2023
TAAG inicia voos regulares de carga na África OcidentalLoja da TAAGTAAG inicia voos regulares de carga na África Ocidental

Desde 2017, data que marca a ascensão de João Lourenço à Presidência da República, e consequentemente uma mudança na filosofia de actuação do Governo angolano, que casos nítidos de desvios financeiros e/ou corrupção têm tido paragem na Justiça, situação que pode vir a suceder com membros do Conselho de Administração da TAAG, que o mais novo parecer de técnicos seniores da IGAE aponta para “falhas graves” no domínio da gestão financeira. As suspeitas antes da inpecção profunda foi a causa da exoneração do então secretário de Estado para os sectores da Aviação Civil, Marítimo e Portuário, Emílio Vumpa de André Londa.

Relatório ainda não conclusivo dos técnicos da Inspecção Geral da Administração do Estado (IGAE) “arrasa completamente” com a actual gestão da companhia de bandeira TAAG, apurou o Correio da Kianda, junto de fontes do Ministério dos Transportes.

O parecer da IGAE com informe contundente à presente situação da companhia de bandeira angolana, que já conheceu ‘dias melhores’, resulta da inspecção que está em curso na entidade, e que identificou “falhas graves nos domínios da gestão financeira, de recursos humanos, operacional e de manutenção”.

A situação, que antes mesmo de a investigação ser mais profunda, determinou a exoneração do então secretário de Estado para os sectores da Aviação Civil, Marítimo e Portuário, Emílio Vumpa de André Londa, coloca em claro ‘suspense’ o futuro dos membros do Conselho da Administração da TAAG, que pode ser mais gravosa do que uma simples cessação das funções, tendo em conta que, desde a ascensão de João Lourenço à Presidência, houve uma mudança na filosofia de acção não só do Governo, mas também dos órgãos de Justiça, que passaram a ser mais actuantes.

Da investida que ainda está por vir, Rui Carreira, que no ano passado acusava o anterior Conselho de Administração de gestão danosa, e que acabou por substituir Emílio Londa, por decisão de João Lourenço, parece ser dos poucos que deverá ser isento do ‘turbilhão’ que há-de vir. In CK