Como investir na Bolsa de Valores em Angola?

Avatar By Redacao Ago 12, 2023


A Bolsa de Dívida e Valores de Angola (BODIVA) é a entidade gestora de mercados regulamentados e é responsável por assegurar que esses mercados sejam justos, ordeiros e transparentes, garantindo, assim, total protecção ao investidor
.

A quem quiser tornar-se um investidor nos mercados BODIVA recomendamos os seguintes passos:
Definir objectivos
Antes de investir, é necessário que defina objectivos claros e precisos para o seu investimento, ou seja, na aquisição de um imóvel, no planeamento da sua reforma ou ainda na sua formação académica. Adicionalmente, deverá ponderar sobre o horizonte temporal que pretende investir e espera obter os resultados previstos, isto é, como e durante quanto tempo pretende que o investimento gere o rendimento que lhe permitirá alcançar os objectivos inicialmente definidos. .

Escolher um intermediário financeiro
É através de um Intermediário Financeiro (IF) que o investidor tem acesso à Bolsa de Valores. Classificam-se como IF´s (oficialmente designados como Agentes de Intermediação) os bancos, as sociedades correctoras e as sociedades distribuidoras, devidamente licenciados pela Comissão do Mercado de Capitais (CMC) e autorizados pela BODIVA a prestar, pelo menos, serviços de recepção e execução de ordens nos mercados regulamentados. Os mesmos podem também exercer o papel de consultor financeiro, prestando assim serviços de consultoria e/ou gestão de carteira aos seus clientes. Na escolha de um IF, é importante ponderar os serviços que o mesmo disponibiliza e respectivas comissões associadas.
Desenvolver uma estratégia de investimento
Cada investidor tem a sua própria relação com o risco. Deve, por isso, proceder a uma análise capaz de identificar factores como fundos disponíveis para investimento, horizonte temporal, rendimentos, despesas fixas, dívidas, projectos futuros, entre outros, o que irá permitir traçar uma estratégia de investimento que se adeque ao seu perfil de risco, ou seja, a sua maior ou menor tolerância ao risco. Se assim entender, o investidor poderá delegar a definição da sua estratégia de investimento ao seu IF, que após análise fundamentada deverá apresentar uma estratégia de investimento ajustada ao perfil de risco do investidor.
Identificar o Título do Tesouro a Investir
Antes de investir em um determinado instrumento financeiro, o investidor deve conhecer o seu funcionamento e as enumeras vantagens que o mesmo apresenta, com destaques aos seguintes elementos:
   - As taxas de rendimentos são bastante apetecíveis para todos os perfis de investidores (Conservadores, moderados e arrojados);
   - O risco de incumprimento muito reduzido ou quase nulo;
   - Possibilidade de diversificar a carteira de investimentos;
   - O rendimento da aplicação em títulos públicos é bastante competitivo se comparado com as outras aplicações financeiras existentes no mercado nacional;
   - Em alguns casos podem ser utilizados como garantia ou colateral em operações de crédito.
Feito a devida análise o investidor poderá escolher o instrumento financeiro que melhor satisfaz o seu apetite
Identificar a empresa a investir
Antes de investir numa empresa ou qualquer outro instrumento financeiro, é importante conhecer as suas estratégias, perspectivas de crescimento e comportamento do sector de actividade no qual está inserida. Deverá preferir aquelas que demonstrem, entre outros aspectos, potencial de crescimento, robustez, transparência, eficácia e eficiência no uso de recursos, bem como modelos de governo e de sistemas de controlo interno de acordo com as boas práticas.
Nesta fase, o investidor deve ainda decidir se quer tornar-se credor da empresa, com datas e condições de reembolso pré-definidos, ou se prefere ser co-proprietário da empresa, sendo os rendimentos que resultam desta opção mais incertos. A primeira modalidade implica investimento através de Obrigações, enquanto a segunda o torna accionista por via de aquisição de Acções. De sublinhar que o investidor pode assumir, na mesma empresa, os dois papéis, ou seja, de credor/obrigacionista e de accionista.
Enviar a ordem de compra ou venda
Completados os passos anteriores, o investidor solicita ao IF que insira a sua intenção de compra ou venda no mercado, especificando o instrumento financeiro que pretende negociar, o preço e a respectiva quantidade. Após a inserção da sua intenção, o IF deverá fornecer-lhe o respectivo comprovativo.
Simulador de Investimento BODIVA
Uma decisão de investimento deve ter como base o conhecimento das características, termos e condições oferecidas pelo instrumento financeiro que se pretende avaliar.
Esta premissa é uma condição essencial para quem investe, permite identificar e monitorar fatores-chave de impacto no comportamento do activo investido ou a investir, o que condiciona positivamente as decisões de compra ou de venda.
É este o espírito do “Simulador de Investimento BODIVA”. Disponibilizar ao investidor uma ferramenta que permita calibrar as suas expectativas e melhorar as decisões de investimento/desinvestimento nos mercados BODIVA.
Característica do Activo
As características, os termos e condições do instrumento financeiro estão descritas na sua Ficha Técnica. A Ficha Técnica é como o bilhete de identidade de determinada emissão de valores mobiliários, ou seja, instrumento financeiro. A partir dela é possível extrair informação como:
   • Identificação do Emitente;
   • ISIN – International Securities Identification Number (Código Internacional de Identificação de Valor Mobiliário);
   • Tipologia da Emissão;
   • Quantidade de títulos emitidos;
   • Data de Emissão;
   • Data de Vencimento;
   • A rendibilidade oferecida pelo emitente;
   • Valor Nominal;
   • Outras condições gerais oferecidas pelo emitente.
Por via do Simulador do Investidor, é possível simular investimento aos seguintes instrumentos:
Bilhetes do tesouro
Os bilhetes do tesouro são instrumentos de dívida pública de curto prazo com um valor nominal de mil kwanzas, podendo ser emitidos com maturidades até 364 dias, emitidas a desconto através do leilão de preços e reembolsáveis no vencimento pelo seu valor nominal. As taxas de rendimento para efeitos de referência podem ser encontrados na homepage do site da BODIVA. .

Obrigações do tesouro não indexadas
As Obrigações do tesouro não indexadas são instrumentos de dívida pública de médio e longo prazo, com um valor nominal de 100.000,00 emitidas com uma Limit yield que permite o desconto nos leilões competitivos, pagando cupões semestralmente e o reembolso acontece no vencimento pelo seu valor nominal mais o último cupão. As taxas de rendimento para efeitos de referência podem ser encontrados na homepage do site da BODIVA.
Obrigações do tesouro indexadas
As Obrigações do tesouro indexadas são instrumentos de dívida pública de curto prazo com um valor nominal dependente do seu indexante, podendo ser emitidas em leilão competitivo ou não competitivo pagando cupões semestralmente e o reembolso acontece no vencimento pelo seu valor nominal mais o último cupão. As taxas de rendimento para efeitos de referência podem ser encontradas na homepage do site da BODIVA.
Portal do Investidor
O Portal do Investidor, é um mecanismo simplificado para aquisição de Títulos do Tesouro, desenvolvido pelo Ministério das Finanças à disposição de qualquer investidor. Esta plataforma, viabiliza a compra de Títulos do Tesouro a nível nacional através de um clique, disponível 24 horas por dia.
Os Títulos do Tesouro (TT) são títulos financeiros públicos, emitidos pelo Tesouro Nacional que garantem segurança e rentabilidade fixa findos prazos previamente acordados. Estes podem ser, Obrigações ou Bilhetes do Tesouro diferenciando-se pela sua maturidade.
Para investir em Títulos do Tesouro por via do Portal do Investidor, deverá possuir:
   1. IBAN da sua conta bancária;
   2. Conta de custódia na BODIVA;
   3. Endereço de email válido;
   4. Número de Identificação Fiscal;
   5. Cartão Multicaixa associado ao IBAN que indicar;
   6. Acesso à Internet.
Verificados os dados acima indicados, poderá investir acedendo à plataforma Portal do Investidor através do link portaldoinvestidor.minfim.gov.ao, e clicar no botão “simular investimento”, que lhe permitirá visualizar a informação referente ao Título que pretende adquirir.
O que é uma conta de custódia e como adquirir uma
Uma conta de custódia, é uma conta de registo individualizado que identifica os titulares dos títulos ou outros instrumentos financeiros registados na CEVAMA.
A conta de custódia é aberta, mediante assinatura de um Contracto de Intermediação, com o banco comercial do investidor, que deve ser membro BODIVA. A assinatura deste contracto, assegura os direitos e deveres entre as partes, junto a Comissão do Mercados de Capitais (CMC) e da Central de Valores Mobiliários de Angola (CEVAMA-BODIVA), responsável pela liquidação física dos títulos adquiridos.
Liquidação física, corresponde ao depósito dos títulos na conta de custódia do investidor, que ocorre após liquidação financeira, ou seja, após pagamento da operação por via de transferência de fundos pelo multicaixa.
Vantagens de ter uma Conta de Custódia
Uma conta de custódia, é uma conta de registo individualizado que identifica os titulares dos títulos ou outros instrumentos financeiros registados na CEVAMA.
A conta de custódia é aberta, mediante assinatura de um Contracto de Intermediação, com o banco comercial do investidor, que deve ser membro BODIVA. A assinatura deste contracto, assegura os direitos e deveres entre as partes, junto a Comissão do Mercados de Capitais (CMC) e da Central de Valores Mobiliários de Angola (CEVAMA-BODIVA), responsável pela liquidação física dos títulos adquiridos.
Liquidação física, corresponde ao depósito dos títulos na conta de custódia do investidor, que ocorre após liquidação financeira, ou seja, após pagamento da operação por via de transferência de fundos pelo multicaixa.
   • Maior protecção ao investidor – Em caso de insolvência do Intermediário Financeiro é fácil de aferir que títulos fazem parte da carteira do investidor;
   • Maior Transparência – O investidor pode solicitar ao seu Intermediário Financeiro (Banco) a carteira atualizada dos seus títulos;
   • Maior Celeridade – No tratamento dos Eventos, pagamento de cupão e resgate.
PROPRIV
O Programa de Privatizações está alinhado com o Programa de Desenvolvimento Nacional 2018-2022 e enquadra-se no âmbito da Reforma das Finanças Públicas, tendo em vista a promoção da estabilidade macroeconómica, o aumento da produtividade da economia nacional e o alcance de uma distribuição mais equitativa do rendimento nacional.
Nesta perspectiva, a redução da participação do Estado na economia como produtor directo de bens e serviços e a promoção de condições favoráveis à iniciativa privada, ao investimento estrangeiro e a aquisição de know-how e competências específicas devem ser as linhas condutoras da reestruturação e redimensionamento do Sector Empresarial Público (SEP).