Angola 2050: UNITA diz que só soube do Plano Estratégico do PR pela imprensa – Maior partido da oposição afirma que não foi ouvido mas está a estudar os documentos para contribuir

Avatar By Redacao Mai 24, 2023

A UNITA, maior força política na oposição, disse esta segunda-feira,23, em Luanda, que não foi consultada nem ouvida sobre o chamado Plano Estratégico “Angola 2050”, mandado elaborar pelo Presidente da República, João Lourenço, que visa projectar o desenvolvimento do País nos próximos 27 anos.
O partido liderado por Adalberto Costa Júnior, com 90 deputados no Parlamento, diz que apenas tomou conhecimento deste documento através da imprensa e que foi com surpresa que soube da sua existência.
Angola tem uma estratégia abrangente e de longo prazo, mandada elaborar pelo Presidente da República, João Lourenço, pode ler abaixo: 
Segundo o primeiro-ministro do “Governo Sombra”, a UNITA, quando teve conhecimento pela imprensa, perguntou-se “de onde saiu este documento de 400 páginas ‘Angola 2050′”.
“Nesse Plano Estratégico “Angola 2050″ nós não fomos ouvidos. Não há lá qualquer contribuição da UNITA. Fizeram as coisas e estão aí avançar como se não houvesse outra vontade política que poderia ajudar a enriquecer o documento”, explicou.
Conforme o primeiro-ministro do “Governo Sombra”, só agora é que a maior força política na oposição vai estudar o documento para ver se contém coisas boas que possa ajudar a melhorar.
“Agora é que a UNITA vai estudar o documento que não contribuiu para ver o que pode ajudar a melhorar”, disse Raúl Taty, acrescentando que “a UNITA é obrigada a estudar o documento para contribuir”.
Estas afirmações foram feitas ao Novo Jornal pelo primeiro-ministro do “Governo Sombra” da UNITA, Raúl Taty, no final de uma conferência de imprensa em que o partido marcou posição sobre a greve dos professores do ensino superior das universidades públicas, que já dura há três meses.
Entretanto, a UNITA lamenta o facto de o MPLA continuar fechado ao diálogo com a oposição e a dificultar as conversas sobre o País.
“O MPLA tem de abrir os caminhos para o diálogo, não pode vir com palavras do tipo, `queremos o diálogo`, mas continuar fechado. Infelizmente não tem chamado a UNITA para dialogar. Porque para chamar a UNITA tem de ser a partir do presidente do partido, infelizmente isso também não tem estado a acontecer”, explicou o político.