Cidadão chinês que cuspiu na cara de um oficial do SIC foi de novo conduzido à cadeia por desobedecer a ordem de comparência em tribunal

Avatar By Redacao Abr 12, 2023
O empresário chinês, Huang Lee, que cuspiu na cara de um oficial do Serviço de Investigação Criminal (SIC) no dia 26 de Março, após ter quebrado um selo fiscal de um contentor sem a presença das autoridades, no Rangel, e detido no mesmo dia, e posto em liberdade 24 horas depois pelo Ministério Público após o pagamento de uma caução de 1,4 milhões de Kwanzas, voltou a ser detido esta terça-feira,11, por desobedecer a uma ordem de comparência em tribunal, soube o Novo Jornal junto de uma fonte judicial.
Segundo a fonte, o empresário chinês ficou sob a medida de coacção a obrigação de se apresentar ao tribunal todas as terças mas o mesmo não compareceu e nem justificou a sua ausência, o que serviu ao tribunal para o reconduzir à condição de detido preventivamente.
O julgamento de Huang Lee, acusado de insulto e ofensas morais contra a autoridade, teria iniciou esta terça-feira, mas por força da greve dos oficias de justiça que se regista nos tribunais de comarcas do País, o mesmo foi novamente adiado para o dia 14.
O empresário chinês compareceu no fim da tarde em tribunal para o julgamento, depois de não ter cumprido com à ordem judicial, e foi de seguida conduzido preventivamente à cadeia, após decisão do tribunal.
Huang Lee foi detido, dia 26 de Março, pelo Serviço de Investigação Criminal, após cuspir no rosto de um oficial daquele órgão de investigação, mas o Ministério Público, no dia 27, acabou por soltá-lo porque o detido pagou cerca de um milhão e meio de kwanzas de caução.
Os factos acorreram no bairro do Marçal, no distrito urbano do Rangel, em Luanda, quando o SIC, após denúncia anónima, deslocou-se ao local, onde o cidadão chinês “desovava” sem a presença das autoridades aduaneiras um contentor de mercadorias diversas.
“No momento da abordagem, o cidadão insurgiu-se contra o oficial do SIC, alegando ter amigos que o podiam proteger e cuspiu-lhe no rosto, mas o oficial não se deixou intimidar e efectivou a detenção”, contou aos jornalistas, na ocasião, Manuel Halaiwa, director de comunicação institucional e imprensa do SIC-geral.
O Novo Jornal apurou, na altura, que a colocação do empresário chinês em libertação não caiu bem entre os operacionais do Serviço de Investigação Criminal que se sentiram desrespeitados.
Fonte: Novo Jornal