PN garante responsabilizar criminalmente todos aqueles que provocarem desordem pública no dia 31 de Março

Avatar By Redacao Mar 30, 2023
Após vários dias a circularem nas redres sociais e nos media informações sobre a iniciativa “No dia 31 Fica em Casa, não vamos trabalhar”, nesta sexta-feira,31, a Polícia Nacional (PN) emitiu um comunicado onde garante que responsabilizar criminalmente todos aqueles que provocarem desordem pública.
A manifestação com um pendor pacífico foi marcada pelo activista angolano “Gangsta”, que apela à população para aderir de forma a expor a insatisfação generalizada contra o actual governo e reivindicar melhores condições de vida.
A PN pronunciou-se sobre o assunto dizendo no seu comunicado que ” todos aqueles que persistirem nestas práticas de rebelião e vandalismo, serão responsabilizados criminalmente, porque a situação de segurança pública do País é estável e as forças da ordem estão prontas para darem resposta à qualquer acto que visa perturbar a tranquilidade pública”.
A direcção geral da PN apela às populações, no sentido de não aderirem a este acto, advertindo todos aqueles que estejam envolvidos na promoção desta acção, que poderá alterar a tranquilidade pública, de que a polícia vai actuar em conformidade.
UNITA apoia iniciativa
O Secretariado Executivo do Comité Permanente da Comissão Política da UNITA divulgou um comunicado onde manifesta a solidariedade do maior partido da oposição à iniciativa de um grupo de activistas denominada “”No dia 31 Fica em Casa” que visa levar os trabalhadores a não se deslocarem para os seus postos de trabalho na próxima sexta-feira.
Sublinhando que a Constituição legitima esta iniciativa, a UNITA “solidariza-se com a causa dos activistas e apela ao governo para prestar maior atenção às causas da insatisfação e da contestação, generalizadas”.
O partido do “Galo Negro” diz ainda que a justificação para esta iniciativa, com respaldo na CRA, são os “níveis elevados de desemprego, pobreza, alto custo de vida, corrupção institucionalizada e constantes violações dos direitos humanos, agravam a insatisfação e o desespero da juventude com a actual governação”.
E, numa altura em que esta iniciativa ganha tracção nas redes sociais, onde está igualmente a ser fortemente criticada por elementos próximos do poder, o partido de Adalberto da Costa Júnior aproveita o mesmo documento para “condenar veementemente a campanha de intoxicação da opinião pública nacional e internacional, levada a cabo por órgãos do Estado, que visa desvirtuar iniciativas de livre exercício de cidadania, plasmadas na Constituição da República de Angola”.
Fonte: Novo Jornal/ Angola 24 horas