Estudantes do 1º ano do ISPKILAMBA impedidos de prosseguir o ano letivo, e pedem a intervenção do MESCTI

Avatar By Redacao Mar 28, 2023


Os estudantes do 1º ano do Instituto Superior Politécnico Privado do Kilamba (ISPKILAMBA), do Instituto Politécnico do Bita (ISPOB) e do Instituto Superior Politécnico Internacional de Angola (ISIA) estão impedidos de prosseguir o ano lectivo de 2023 a 2024, porque as instituições em causa não submeteram alguns os candidatos aos exames de admissão, e foram sancionados pelo Ministério do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação (MESCTI) e, em causa estão as despesas dos estudantes, desde as provas de acesso às propinas pagas até ao momento e despesas correntes.

“Somos estudantes do ISPKILAMBA, e infelizmente, a nossa instituição foi notificada pelo Ministério do Ensino Superior por não realizar os exames de admissão, pelo que o ano lectivo foi cancelado para todos os alunos nesta condição”, afirmou.
Segundo Edvaldo, estudante do ISPKILAMBA, entristecido com a situação, disse ao Hold On Angola que “o MESCTI poderia tomar esta decisão no início do ano lectivo para minimizar os transtornos, teríamos tempo para entrar noutras universidades, agora não é possível, já estudamos quase 1 trimestre e estamos há 2 meses em casa aguardando uma resposta da nossa instituição”, lamentou.
“Aliás, quando fizemos os exames de acesso para esta instituição, houve candidatos que não foram submetidos aos testes, mas o que mais nos entristece é que o MESCTI não paralisou os candidatos que não foram submetidos aos testes, mas sim paralisou todos os alunos de 1º do ISP Kilamba como se fossem todos culpados da máfia que existiu na instituição”, lamentou.

O vídeo mostra os estudantes do ISPKILAMBA a clamarem ajuda da Sra. Ministra Maria do Rosário Sambo e do jornalista Ernesto Bartolomeu
Quanto aos casos de envolvimento de candidatos que ingressaram sem aprovação nos exames, os estudantes lesados solicitam ao MESCTI a realização de uma vistoria para verificar e identificar as causas desta situação na instituição e dar o reinício das aulas para os candidatos aprovados nos exames de acesso.
“A instituição tem nossas provas, e nós como estudantes não pedimos reembolso do nosso dinheiro, queremos apenas estudar. Seria de facto uma injustiça por parte do MESCTI sancionar os candidatos que passaram nos exames de acesso”, disse.
“Já estamos em Março e esse mês já deveríamos estar a estudar. Pedimos a senhora ministra Maria do Rosário Sambo, titular do Ensino Superior, Tecnologia e Inovação (MESCTI) que se desloque o mais rapidamente à nossa instituição para comprovar as nossas os nossos exames de acesso e retomar as aulas”, concluiu.
Os estudantes das três instituições tencionam fazer uma manifestação no dia 4 de abril, mas nada foi confirmado até o momento.