ONG moçambicana dos Defensores de Direitos Humanos denuncia deportação de Man Gena

Avatar By Redacao Mar 2, 2023


O jovem angolano Man Gena fugiu de Luanda depois de ter denunciado polícias implicados num tráfico de droga e ter sido vítima de uma tentativa de rapto. As autoridades moçambicanas alegam que entrou ilegalmente no território nacional e querem deportá-lo para Angola.
A Rede Moçambicana dos Defensores de Direitos Humanos alertou para o caso do cidadão angolano Man Gena que as autoridades querem deportar para Angola.
Man Gena fugiu de Luanda com a família depois de ter denunciado polícias e políticos envolvidos no tráfico de drogas em Angola e ter sofrido uma tentativa de rapto. Adriano Nuvunga, presidente da Rede Moçambicana dos defensores de Direitos Humanos, indignou-se quanto ao motivo avançado pelas autoridades moçambicanas relativamente à entrada ilegal no território nacional.
Man Gena não tem os seus documentos para a estadia em Moçambique porque saiu fugindo para tentar salvar a sua vida e a da sua família. Man Gena está em Moçambique à procura de asilo, porque ele é perseguido politicamente em Angola, não pode e não deve ser devolvido a Angola. Ele tem que ser protegido à luz do direito internacional sobre o asilo. Em caso de ser deportado para Angola, vai ser claramente assassinado.
Adriano Nuvunga, considerou preocupante a atitude das autoridades Moçambicanas: “Man Gena já escapou a várias tentativas de assassinato em Luanda. Há uma ligação entre Luanda e Maputo, para onde ele fugiu, e ouve um movimento estranho de perseguição. No domingo tentaram raptá-lo [em Maputo] e de domingo até ontem, toda a conversa na esquadra foi no sentido de o deportar com a sua família de volta para Angola.”
Quanto às razões da fuga de Man Gena de Angola, Adriano Nuvunga disse: “Ele fugiu de Angola porque vem denunciando o envolvimento da classe política angolana no tráfico de droga. Por isso tem estado a ser perseguido. As tentativas de assassinato de que foi vítima estão ligadas a todas estas denúncias.”
Adriano Nuvunga apontou ainda para a responsabilidade do governo moçambicano.
O Estado moçambicano tem a responsabilidade internacional de proteger Man gena e a sua família porque ele é um defensor de direitos humanos, que está em Moçambique para escapar ao risco de vida que corre em Angola. Tem que lhe ser concedido o estatuto de asilo político. Man Gena não é criminoso, é um cidadão que denunciou crimes que envolvem altas patentes e isto é que tem estado na origem do empobrecimento dos nossos povos. Ele tem que ser protegido à luz da defesa dos direitos humanos.
Man Gena encontra-se retido, ainda nesta quarta-feira 01 de março, na esquadra, desde domingo. O presidente da Rede Moçambicana dos Defensores de Direitos Humanos falou sobre o seu estado:
Man Gena está num estado de espírito bastante debilitado. Está com a esposa que está grávida. Estão na esquadra, as crianças dormem no chão, sem nada para comer. Quero fazer um apelo a toda a sociedade moçambicana: quem tem pão, que o vá entregar, quem tem um pouco de chá, vá entregar àquela família, porque estão em Moçambique para salvar a sua vida.
“Man Gena, o único crime que cometeu é de lutar pelo interesse público. O Estado moçambicano tem responsabilidades e estamos por isso confiantes que o estado e o Presidente Nyusi em particular vai tomar a decisão certa, que é proteger Man Gena em Moçambique”, confiou ainda Adriano Nuvunga.
Fonte: RFI