Aga Lopes: Além da música, um legado em construção

Avatar By Francisco Muanza Fev 28, 2023
Aga Lopes: Além da música, um legado em construção

O talentoso artista angolano Aga Lopes compartilhou detalhes fascinantes de sua jornada artística, que o levou de sua cidade natal, Huambo, para a movimentada capital, Luanda.

Nascido na província do Huambo, Aga Lopes deu seus primeiros passos na cena musical explorando o estilo RnB (Rhythm and Blues), uma vertente do Hip Hop norte-americano. No entanto, em busca de oportunidades para impulsionar sua carreira, ele fez a decisão crucial de deixar sua cidade natal em 2007 e seguir rumo a Luanda. Foi lá que ele expandiu suas habilidades artísticas para além da música, mergulhando também na moda e no cinema.

Atualmente, Aga Lopes tem um EP gravado, embora ainda sem data de lançamento definida. Uma das músicas promocionais do EP, intitulada “Eu Estou Aqui”, já está disponível em todas as plataformas digitais, proporcionando um vislumbre do talento e da versatilidade do artista.

Também pode ser do seu interesse:

Ao refletir sobre sua jornada, Lopes lembra o convite de um colega de turma em 2005, que o incentivou a ingressar no mundo artístico. Inicialmente envolvido com música romântica, ele posteriormente expandiu seus horizontes para o rap e RnB, e agora está explorando sons inspirados nas regiões urbanas de Camarões, como o Zouk e a Soul Music, enraizada na cultura afro-americana.

“O processo de se estabelecer no mercado musical angolano é desafiador, e isso tem sido um dos obstáculos para meu reconhecimento até o momento”, compartilha Aga Lopes. “Mas estou determinado a trabalhar incansavelmente para alcançar o reconhecimento tanto no mercado nacional quanto internacional.”

Além de sua carreira artística, Aga Lopes é também um homem de família, casado e pai de três filhos. Ele destaca a importância do apoio da população angolana para impulsionar sua ascensão no mundo das lendas dos artistas do país.

Essa narrativa ressoa com as palavras de Belmiro Carlos, que em 2014 destacou a necessidade de políticas públicas mais robustas para fortalecer o setor artístico angolano, atraindo investimentos do setor privado e oferecendo mais oportunidades para artistas emergentes deixarem o anonimato e brilharem.