Procuradora dos “15+2” implicada no crime de Furto de Quadro de Decoração

Avatar By Redacao Jan 12, 2023
O poder judicial em Angola, decidiu abafar o caso de duas procuradoras do Tribunal da Relação de Luanda que teriam levado para casa dois quadros de decoração da instituição, que a luz do artigo 406 do código penal configura a pratica do crime de apropriação ilegítima de bens do sector público.

AUTORIDADES JUDICIAIS OPTARAM PELO PERDÃO E ABAFARAM O CASO
As protagonistas são Yemanjá Arminda Videira, e Isabel Fançony de Almeida Ventura Nicolau, que se tornaram famosas no ano de 2015. A primeira fez destaque na media angolana, quando no decorrer do julgamento do caso “Jorge Valerio”, daquele ano, um dos declarantes Bernabé João, alegou que a mesma tê-lo-ia chamado ao seu gabinete, para negociar a colaboração do seu irmão, Bravo. Já a segunda, de 45 anos de idade, é a procuradora que neste mesmo ano tornou-se notada por ter sido a procuradora do celebre no processo dos “15 + 2”, que aparecia com uma peruca escondendo o rosto.
No seguimento da implementação do tribunal de relação de Luanda, cuja inauguração aconteceu em finais de 2021, as duas procuradoras retiraram da parede da instituição dois quadros de pintura que estava afixado na parede, e levaram para as suas casas. Os dois quadros “roubados” constituem patrimônio do tribunal.
Depois de denunciadas, as duas procuradoras juraram de pês juntos que já mais cometeriam tal pratica de furto de um bem público. Contudo seria numa sessão de acareação conduzida pela Presidente do Tribunal de Relação, Maria Guiomar Vieira Dias Gamboa Craveiro, que as mesmas admitiram culpas depois de confrontadas com imagens registradas do furto pelas camaras de vídeo vigilância. De acordo com apurações decidiu-se a Juíza Maria Guiomar Craveiro pela não abertura de uma participação criminal contra elas, e ambas foram apenas advertidas para que tais actos não voltem a se repetir.
Fonte: Clube K